MASSACRE VERDE E BRANCO

Por: Vitor Placucci Vizzotto

Palmeiras aplica um chocolate em cima do time do Morumbi e mostra sua força

Foto: Cesar Greco / Fotoarena
Foto: Cesar Greco / Fotoarena

Amigos, eu estava errado! Ainda bem! Achei que seria um jogo truncado, difícil e que o São Paulo conseguiria atacar melhor o verdão. Mas não, para a nossa alegria, o nosso rival foi massacrado no Allianz Parque! E não canso de falar, foi um massacre! 4 x 0 jogando o fino da bola.

O primeiro tempo foi mais complicado que o segundo. O tricolor quase fez o primeiro gol com Alexandre Pato, que chutou na trave, mas depois disso, não fizeram mais nada. Só deu Palmeiras!

Leandro Pereira fez o primeiro, Victor Ramos o segundo, Rafael Marques o terceiro e Cristaldo o quarto. Ufa… cansei, até parece o 7 x 1 da Alemanha. E foi quase isso. Somando os choques reis deste ano o Palmeiras fez 7 gols. Sete! E nosso rival nenhum.

Nessa partida o time parecia mais envolto, mais entrosado e com um toque de bola mais refinado. Muitos torcedores já estavam começando a criticar o lateral Egídio, mas ontem ele mostrou para que veio. Foram três assistências do camisa 66. E vamos combinar, que assistências em?! O lateral esquerdo parecia uma máquina de passes certeiros. Com certeza foi o melhor em campo.

PETECA

Agora não podemos deixar a peteca cair. Ganhamos o clássico, foi bonito, mas calma. Nosso próximo adversário é a Chapecoense, em casa. Não será fácil. Depois pegamos a Ponte Preta fora de casa, mais um duelo complicado.

Marcelo Oliveira terá que quebrar a cabeça para escalar o time contra a ponte e treinar a marcação, porque tem um tal de Renato Cajá que está sambando bem.

Neste último jogo nós estávamos sem Alecsandro e Leandro Pereira mostrou que pode ser um bom reserva na minha opinião, melhor que Cristaldo. Estavam cogitando mandá-lo embora, mas acho que não é o caso.

O Palmeiras pode até ser o ‘Rei dos Clássicos’, como estão dizendo, mas se não focarmos com a mesma dedicação e o mesmo empenho que tivemos na última partida, em todos os jogos, não chegaremos a lugar nenhum.

Enfim, vamos saborear essa goleada, esse ‘7 x 0’ em cima do São Paulo. Mais uma coisa, faz tempo que não vemos goleadas em clássicos não? Será um sinal de que o futebol do verde pode estar melhorando? Tomara.

Quanto a Rogério Ceni…

Por favor, não aposenta não “mito”.

FORZA PALESTRA

Anúncios

MISSÃO PARA DOMINGO

Por: Vitor Placucci Vizzotto

Foto: Cesar Greco / Fotoarena
Foto: Cesar Greco / Fotoarena

A semana do Palmeiras está conturbada, no sentido negativo. Alecsandro fora do clássico de domingo por contusão, Valdivia praticamente vendido e na semana passada perdemos para o Grêmio, por 1 x 0. A ‘coisa’ não pode piorar…

O técnico do verde ainda não definiu o time para domingo e disse que só no dia a escalação estará formada. Acho bom que não ocorra divulgação antes da hora, mas Marcelo Oliveira terá problemas com a escalação.

Provavelmente o técnico do verdão escalará no 4-2-3-1: Prass; Lucas; Victor Hugo; Victor Ramos; Egídio; Gabriel; Arouca; Zé Roberto; Robinho; Dudu; Rafael Marques.

Se for essa, é um bom time. Com Rafael Marques mais centralizado e Zé Roberto jogando pela ponta esquerda. Mas para mim o esquema ideal seria com Gabriel Jesus no lugar de Dudu e chega de 4-2-3-1, vamos experimentar outros esquemas, pelo amor de Deus. Acho que chegou a hora para nossa joia da base provar do gosto de jogar um clássico como titular.

Jesus fez uma boa Copa América pela seleção brasileira sub-20 e como muitos palmeirenses acham, o menino pode fazer a função de meia ou de segundo atacante. Em minha opinião, o camisa 33 se encaixa melhor no campo pela ponta direita.

A posição clássica do futebol brasileira que foi praticamente extinta, deveria voltar a existir e é nela que Jesus se encaixa melhor, porque tem um ótimo arranque, dribla bem, e consegue se infiltrar pela área, características de um ponta nato. Vide Garrincha. Ok, não estou o comparando ao Garrincha, mas acho que M. Oliveira deveria arriscar coloca-lo lá.

Enfim, o clássico será um jogo tenso e truncado. Não esperem ver um jogo ‘fácil’ como foi aquele 3 x 0 no paulista, porque o São Paulo está melhor armado. Mas está na hora de ganharmos!

Quanto ao Valdivia…

Quem é ele mesmo?

FORZA PALESTRA

HORA DE PENSAR

Por: Victor Chahin

SÃO PAULO, SP - 22.06.2015: TREINO DO PALMEIRAS - O técnico do sub20 Marcos Valadares e o técnico do profissional Marcelo Oliveira (D), da SE Palmeiras, durante treinamento na Academia de Futebol, no bairro da Barra Funda. (Foto: Cesar Greco / Fotoarena)

  Enquanto o time do Palmeiras não mostrar o mínimo de regularidade, tanto individual, quanto coletiva, vai ser difícil alcançar a tão esperada ascensão na tabela. Em oito jogos tivemos 2 vitórias, 3 empates e 3 derrotas, aproveitamento abaixo dos 35% dos pontos disputados. Chegou a hora de rever o que deu certo e o que precisa mudar.  Rápido.

  Marcelo Oliveira e Alexandre Mattos precisam agora por um fim nas contratações, para assim conseguir dar atenção para toda a equipe do Palmeiras. Decidir quem rende mais e quem deve deixar o elenco por empréstimo ou venda. Chegaram nos últimos dias mais 3 contrações, sendo duas de grande peso. Alecsandro e Lucas Barrios (ainda na Seleção do Paraguai), dois experientes atacantes, com um grande histórico na carreira, vieram para ser titulares. Agora chegou a hora de colocar a bola no chão, olhar pra cada jogador e analisar o que têm, e assim, voltar essas armas para o campeonato.

  A mídia bate muito na tecla de ser um exagero essas 24 contratações do Palmeiras, como se isso fosse proibido. A imprensa insiste em polemizar quais contratações não deram certo e quais ainda nem jogaram, colocando ainda mais pressão em todo o Verdão. Criticam muitos jogadores, parecendo que todos que o Palmeiras contratou vieram para ser craques ou serem os heróis. Na verdade, a maioria veio para compor um elenco totalmente renovado e não existe time no Brasil, que consiga contratar 24 jogadores estrelas, promessas e craques. Fizeram algumas contratações ruins, sem duvida, e é o papel da imprensa de analisar o elenco e criticar, só que criar polemicazinha para gerar ibope e não olhar do porque de ter ocorrido essa reformulação no elenco, cansa.

  Imagina se o Palmeiras tivesse mantido o elenco do ano passado e contratado apenas 4-5 jogadores, sendo eles, por exemplo, Zé Roberto, Lucas, Rafael Marques, Robinho e Gabriel. E ai? Isso seria uma grande mudança, ou seria mais uma vez, uma tentativa de tapar os buracos? Quem assistiu e principalmente quem estava no Allianz Parque na estreia e no jogo contra o Atlético-PR, sabe bem qual era a melhor opção.

  O Palmeiras foi ousado no que fez, reformular todo um elenco, dirigentes e maneiras de lucrar com o futebol. Hoje, o alviverde esta pagando um preço pela mudança, mas existe um futuro muito mais promissor, do que teria se o elenco do ano passado, desgastado e ruim, fosse mantido.

  Sei que muitos palmeirenses ja perderam a paciência com o papo do entrosamento, estou também cansado de ver um time tão irregular, mas pelo menos vemos um Palmeiras que tentou alguma mudança e ela ainda vai dar frutos. Há sim bons jogadores e um bom técnico. O titulo já ficou na utopia, ou é algo bem difícil pra esse ano, mesmo estando no começo, mas o aproveitamento pode e vai melhorar. No final do campeonato Brasileiro, se o Palmeiras tiver 60-65% dos pontos ganhos, será um vitória pra esse ano. E quem sabe vem a Copa do Brasil para alegrar nos torcedores.

ForzaPalestra

Sou Gabriel Fernando de Jesus

Por: Victor Chahin

aagabriel
Foto: Cesar Greco

Rumando pelo Hexa campeonato mundial Sub-20 pela Seleção Brasileira, o querido atacante palestrino, Gabriel Jesus, já é considerado uma grande promessa no futebol brasileiro. Com a camisa 10, Gabriel foi um dos grandes protagonistas dessa campanha no mundial.

Gabriel Fernando de Jesus tem 18 anos de idade e chegou ao Palmeiras em 1° de julho de 2013. A precoce contratação do jogador veio, pois quando atuava pelo Anhanguera sub-15 o jogador marcou incríveis 29 gols, durante a Copa São Paulo. Para quem não acompanhou, no primeiro ano na base do Palestra, Gabriel Jesus colocou nas redes 54 bolas em 48 partidas disputadas.

O maior medo de todos os envolvidos com o Palmeiras (diretoria, torcedor e técnico) é uma ida precoce do jogador para times europeus e que ele acabe não mostrando o futebol dele em nossa casa. Não é por menos, Gabriel Jesus atuou apenas nove vez no time profissional, sendo titular em apenas uma.

Marcelo Oliveira prometeu uma maior atenção ao futebol de base do Palmeiras e Gabriel Jesus deve agarrar cada chance que tiver da melhor maneira possível. Isso porque, na Seleção Brasileira Sub-20 ele mostrou algo que muitos palmeirenses não conheciam, uma qualidade de armar o jogo. Ou seja, a experiência na copa do mundo de base foi interessantíssima para o jogador aprimorar sua maneira de jogar e consequentemente conhecermos mais sobre suas habilidades, que alem de goleador se demonstrou um bom camisa 10.

Sem perder tempo, Gabriel Jesus deve retornar ao Palmeiras no inicio da semana que vem e já chegar em um ritmo excelente de jogos difíceis. Marcelo Oliveira deve aproveitar os conjuntos de fatores para colocar o jogador nos próximos jogos e tentar usa-lo ao lado de Alecsandro e Rafael Marques.

Acredito que não exista um palmeirense que não tenha vontade de ver Alecsandro, Lucas Barrios e Gabriel Jesus atuando juntos. Teremos que ter calma e ver se essa escalação seria possível na maneira de Marcelo jogar. Contudo, a ansiedade para termos todo o elenco a disposição é enorme.

Contenha a ansiedade torcedor! Tenhamos calma com o jogador e o tempo mostrará seu verde futebol.

#ForzaPalestra

O JOGO DOS BONS

Por: Vitor Placucci Vizzotto

Vitória sofrida nos últimos segundos da alívio ao Palmeiras

(Foto: Cesar Greco / Fotoarena)
(Foto: Cesar Greco / Fotoarena)

Já poderíamos ter vencido. Camisa nova ou não, a verdade é que Alberto Valentin ouviu as preces do torcedor alviverde, Cleiton Xavier. Pode até parecer piada, mas o time com o camisa 8 é outro e querendo ou não, o time cria mais oportunidades.

Uma vitória enfim, com um ar de sofrimento, como o palmeirense gosta, ou melhor, detesta! Nós que aplicávamos goleadas nos anos 90, fosse qualquer o adversário, hoje em dia penamos para ganhar do Figueirense, ou melhor, não ganhar…

O time do Palmeiras hoje é pífio, comparado aos que já tivemos, mas temos que viver o presente que é este, não é?

O gol do Fluminense foi ridículo. Para nós, não para eles. Que marcação horrorosa! A bola passou por 4 defensores palmeirenses até chegar de bandeja nos pés de Jean que abriu o placar.

Nos últimos jogos praticamente a maioria dos gols do verde são de cabeça. Mas por que? Porque simplesmente o time não sabe finalizar. Rafael Marques foi o único que acertou seus chutes a gol e é o único que vêm acertando seus chutes. E o Cristaldo? Pois é, que gol milagroso foi aquele?!

Agora que o interino mudou o esquema de jogar para o clássico 4-4-2, vamos ver se o Palmeiras engrena e se o Oliveira, que não é o Oswaldo, consegue embalar com esse time.

INJEÇÃO DE ÂNIMO

Falta treino de finalização. Estamos cansados de saber. Mas agora tudo poderá ser diferente com Marcelo. Mas em minha visão, não será. Tomara que eu esteja equivocado.

Alecsandro fez uma estreia regular. Em uma cabeçada quase fez seu primeiro gol, mas tem muito o que mostrar para ser o nosso camisa 9.

Vamos apoiar o verdão até o final do campeonato, mas queremos ver um time melhor e mais competitivo. Para isso, é preciso ganhar do Grêmio no Olímpico e do São Paulo em casa. Depois os jogos ficam relativamente mais fáceis. Só enfrentaremos um grande adversário daqui um mês, o Santos, mas não podemos desprezar os outros.

Valentin é um cara ousado, espero que Marcelo também seja para conseguirmos, pelo menos, uma vaga na libertadores. E que venha Lucas Barrios!

FORZA PALESTRA!!!

Três pontos, por favor!

Por: Victor Chahin

SÃO PAULO, SP - 12.06.2015: TREINO DO PALMEIRAS - O técnico interino Alberto Valentim, da SE Palmeiras, concede entrevista coletiva antes do treinamento na Arena Allianz Parque. (Foto: Cesar Greco / Fotoarena)
Foto: Cesar Greco

Com o time na mesma posição a qual terminou ano passado, Alberto Valentim, técnico interino do Palmeiras, espera conseguir uma vitória salvadora. Três pontos no domingo daria um pouco de tranquilidade para o novo Oliveira, agora Marcelo. Contudo, bater o Fluminense, mesmo no Allianz Parque é tarefa complicada. O time carioca tem um esquema tático eficiente tanto ofensivamente quanto defensivamente. Com Pierre e Marcos Junior, o Fluminense tem a opção de atacar no 4-2-3-1 e defender no 4-1-4-1.

Como então conseguir a vitória? Posse de bola obviamente é a primeira tarefa. O Verdão já mostrou ser eficiente nesse quesito, mas o que precisa mesmo é de movimentações em diagonais, para executar o famoso “facão” e conseguir passar pelo meio-campo do Fluminense. Agora, se estivermos sem a bola, a marcação deve ser intensa e no campo de ataque, igualzinho contra o Corinthians.

Arouca e Gabriel devem ficar na contenção quando o Palmeiras estiver sem a bola. Já Zé Roberto e seja quem for os outros 3 escalados para o setor ofensivo, devem pressionar de maneira inteligente, pois o time adversário não é tão eficiente para sair jogando.

Já aviso para o torcedor não ficar irritado se Alberto optar pelo crucificado 4-2-3-1 de Oswaldo, pois Valentim não teve tempo suficiente para trabalhar com outros esquemas. Contudo, não surpreenderia se Alecssandro já fosse escalado como titular, ao lado de Dudu e Rafael Marques; Zé Roberto ficaria na armação, sendo substituído por Cleiton Xavier no segundo tempo.

Alberto Valentim já mostrou ser muito confiável para segurar o bastão de chumbo deixado por um técnico, enquanto aguarda a chega do outro treinador. Com essa moral, o interino deveria arriscar algo novo, como iniciar com Zé Roberto e Cleiton Xavier e colocando Dudu (pois Kelvin está suspenso) como segundo atacante ao lado de Alecssandro ( ou Leandro Pereira). Porque não arriscar um 4-2-2-2?

Último ponto para o jogo é o sistema defensivo. É de extrema necessidade definir quem cobre quem, definir o posicionamento. Lembramos bem como era em alguns jogos com Oswaldo, Lucas subia e deixa uma avenida, as vezes ele aparecia cobrindo o meio-campo, Egídio a mesma coisa. Arouca e Gabriel precisam organizar quem sobe e quem fica, muitas vezes o meio ficava aberto por indecisão de ambos. Por fim, acalmar os ânimos de Vitor Ramos, para não ser expulso novamente.

Último recado para o time de domingo seria: #chutaproGol

#ForzaPalestra

MAIS UMA VEZ…

Por: Vitor Placucci Vizzotto

Pela quarta vez em 2 anos, Palmeiras troca de técnico.

(Foto: Cesar Greco / Fotoarena)
(Foto: Cesar Greco / Fotoarena)

No Brasil, quando pensamos em técnicos, nos vem à mente a palavra salvador. Este talvez, seja o maior erro do brasileiro, considerar o técnico um salvador, um herói.

O técnico de futebol pode ser um herói sim, mas não é ele que calça as chuteiras e nem que contrata todo o elenco. Digo isso pelo simples fato de que Oswaldo de Oliveira tinha um aproveitamento de 59,7% no Palmeiras e caiu. Sim, eu gostaria de vê-lo ainda sob o comando do time. E não, não tenho problemas com quem discordar de mim, mas vamos refletir.

Foram 29 jogos, 15 vitórias, 7 empates e 7 derrotas, sob o comando de Oswaldo. O time chegou a final do Campeonato Paulista deste ano. O elenco todo tinha um apresso muito grande pelo técnico e dos seis clássicos disputados no ano, o Palmeiras de Oswaldo ganhou quatro e empatou um.

O time não tinha organização, o técnico demorava para fazer substituição e o verde não tinha ganho nenhuma partida no brasileiro até o jogo contra o Corinthians. Certo. Porém, esquema tático nós tínhamos e muitas vezes, foram os esquemas de Oswaldo que nos salvaram fora de casa.

Mas fora isso, o que está em questão aqui é a regularidade que não existe no futebol brasileiro. Simplesmente quando um técnico fica mais de três partidas sem vencer ele é questionado ou mandado embora. Isso não pode mais continuar acontecendo.

O Sir. Alex Ferguson, ex-técnico do Munshester Unt. da Inglaterra, permaneceu no comando por 27 anos. E dentro deste período o time teve seus altos e baixos, o que é normal. Este é só um exemplo de como o planejamento com relação a técnicos daqui deveria ser.

A FORÇA MAIOR

Quem será esta tal força maior que Oswaldo de Oliveira mencionou, quando perguntado quem havia o demitido em entrevista a ESPN? Vocês tem uma chance para acertar…

Sim, ele… Mustafá Contursi.

Ele ainda continua mandando e desmandando no Palmeiras. Vocês podem dizer que é teoria da conspiração, mas não é. Se não ele não seria conselheiro e ‘padrinho’ de Paulo Nobre.

O fato é que a política nos clubes de futebol tem que ser revista e remodelada, por mais que esse processo pareça já ter começado.

OS OLIVEIRAS

Agora quem assume o fardo é Marcelo Oliveira, ex-Cruzeiro. Tanto Oswaldo, quanto Marcelo, são Oliveiras e gostam de jogar no 4-2-3-1, tem temperamento parecido e comandam de forma quase igual. Hum… será mesmo que foi uma boa troca?

Iremos começar mais um trabalho do zero. Foram praticamente seis meses jogados na cesta do lixo.

Acho Marcelo Oliveira um excelente técnico e desejo toda a sorte do mundo para ele e que o Palmeiras ganhe todas as partidas disputadas. O que passou, passou. Oswaldo não poderia ter sido demitido assim. Mas agora é torcer pelo segundo Oliveira a passar pelo clube.

Termino minha solene crítica mencionando meu companheiro de ‘papel e caneta’, Victor Chahin:

“Agora a dúvida que fica é: quantos meses o novo comandante vai durar?”

FORZA PALESTRA