Por: Vitor Placucci Vizzotto

A esperança do palmeirense permaneceu até o último minuto.

(Foto: Cesar Greco / Fotoarena)
(Foto: Cesar Greco / Fotoarena)

Jogando em casa o Palmeiras empata pela terceira vez. Logo no primeiro jogo do campeonato brasileiro, 2 x 2 contra o Atlético Mineiro. Depois, 0 x 0 contra o Asa de Arapiraca pela Copa do Brasil. E agora, 1 x 1 contra um Inter bem tímido.

Visivelmente, não era o Internacional que vimos na Libertadores. Era um time acanhado e que não ia muito ao ataque. O verdão por outro lado, demonstrava que a vitória poderia ser uma realidade. Mas não foi.

O elenco de Oswaldo de Oliveira começou bem. No primeiro ataque, quase que o volante Gabriel fez um gol de cobertura em Alisson. Dai por diante, só chutes espirrados e fracos de mais.

O técnico alviverde manteve seu esquema no 4-2-3-1, mas dessa vez estava desorganizado. Pelo fato que o Palmeiras não joga bem em casa com este esquema. Desde o início do campeonato venho falando isso. Vou repetir, este esquema só serve para jogar fora de casa, porque em casa, a zaga avança muito em direção ao círculo central e fica vulnerável a contra ataques fulminantes.

Só não levamos gol do time gaúcho, porque eles não quiseram.

FINALIZAÇÃO

Está faltando treino de finalização há tempos. O ataque é inconsistente em determinados casos. Como o de Dudu e Kelvin, que são jogadores que não tem a frieza para marcar. Porém, nosso talismã número 29, foi o melhor jogador em campo, em minha opinião, por se movimentar muito bem em campo e ser veloz e conciso em seus passes.

A arbitragem pífia como sempre. É impressionante, a cada jogo que passa, os juízes ficam piores.

Agora é manter o trabalho de Oswaldo e aguardarmos. Vamos ver se o treino de finalização vai fazer efeito no domingo contra o Figueirense.

FORZA PALESTRA

Deixar uma resposta