A ÚLTIMA TENTATIVA!

Por: Vitor Placucci Vizzotto

Foto: esportes.opovo.com.br
Foto: esportes.opovo.com.br

O QUE ACONTECE?

O cenário era o mesmo. Parecia o Palmeiras de 2014. Por inúmeras razões: 1- O time chutava, chutava e nada. Parecia que a bola tinha algum imã e a todo momento, ou saia para fora ou o goleiro Danilo do Sport aplicava verdadeiros milagres. 2- A torcida estava impaciente, ou melhor, ainda está. 3- Terceira e não tão importante, jogamos no Pacaembu.

Lamentavelmente, o time de Marcelo Oliveira é mal treinado nos quesitos finalização e defesa. Essa é a realidade. Mesmo tentando alterar o esquema tático da equipe, de nada adiantou. Foi de um 4-2-2, contra o Avaí, que foi eficiente, para um 4-3-3. Mas ai você questiona com o famoso bordão: “Não se mexe em time que ta ganhando”. Mas a realidade é que este era o esquema para esse jogo. Não tinha outra opção, se não atacar.

O leão teve sorte. Sorte no gol de Marlone e sorte em um pênalti no mínimo duvidoso.

Vergonha para nós que pagamos caro por um ingresso e cantamos com corpo e alma por este time, para no dia seguinte nossos rivais zombarem de nossa cara e o clube lucrar com os altos preços.

Já deu… Agora é hora de reagir!

AGORA OU NUNCA!

Amanhã será o jogo da vida daqueles que se declararam ao Palmeiras e que ganham os maiores salários dos times brasileiros em dia. Sem mais desculpas!

Nós apoiaremos este time até o apito final, mas vocês jogadores e comissão técnica, tem que honrar nostro manto! Com mais de 33 mil palestrinos, o Allianz Parque irá tremer e os cariocas perecerão!

Não podemos mais aceitar essa vergonha que fazem conosco desde o ano 2001. Agora é o momento para virarmos este placar e chegarmos à final!

Por favor elenco, comissão técnica e diretoria, deem todas as suas forças por nós.

Como já disse o nosso santo: “Eu não vou perder pra essa Ponte Preta, mas nem a pau! Eu me quebro tudo de novo, mas a gente tem que ganhar!!!!”

Espero que este espírito entre em campo amanhã!

FORZA PALESTRA, ESTAREMOS COM VOCÊS!!!!

Anúncios

ENFIM, A VITÓRIA.

Por: Vitor Vizzotto

(Foto: Cesar Greco / Fotoarena)
(Foto: Cesar Greco / Fotoarena)

A vitória esperada por toda nação alviverde que sofreu um dos piores pesadelos das últimas temporadas, uma goleada. Goleadas são difíceis de se esquecer, principalmente se foram mais do que três gols. Contra a Chapecoense, o Palmeiras parecia o Brasil contra a Alemanha na copa de 2014. Um vexame.

Depois, veio a derrota para a Ponte Preta em pleno Allianz Parque lotado. As vezes, parece que por alguns segundos ou horas, os jogadores do verde esquecem do manto que vestem. A atuação é digna de terceira divisão e isso não acontece só com o time deste ano do verdão, mas ao longo de nossa história é assim. Um problema crucial e que o palmeirense não aguenta mais ver.

TIME MISTO

O time que veio à campo foi misto e já era hora. O elenco que atuou nas últimas duas partidas estava completamente desgastado. Vocês leram muito bem, atuou e não jogou. Porém, méritos para Marcelo Oliveira que encaixou Allione no meio campo e deu oportunidade ao garoto Mouche no ataque.

O técnico já disse que o meia argentino jogará as quartas de finais contra o Fluminense no Maracanã. Acho sensacional. À tempos que eu e meus companheiros de blog já dizíamos que o garoto tem potencial, mas que infelizmente não era aproveitado. Enfim, chegou a hora do camisa 21 aproveitar sua chance e honrar a camisa que veste.

O Palestra veio à campo com um 4-4-2, esquema clássico do futebol moderno que quando as coisas estão dando errado, é o melhor esquema para recuperar um time. E de fato, recuperou. 3 x 1, fora de casa. Um de Gabriel Jesus, aleluia. Um de Cristaldo que não marcava à temos e um de Dudu, simplesmente o melhor jogador do Palmeiras nesta temporada.

O verde está em quinto lugar, a um ponto do G4, contudo ainda não nos trouxe de volta a confiança. Quarta-feira é a hora de provar para que este elenco caro de 2015 veio. Claro que não levaríamos a taça do brasileiro assim, tão facilmente, mas pelo menos a Copa do Brasil ou a classificação para a Libertadores, é obrigação.

FORZA PALESTRA!

NÃO ENTRARAM EM CAMPO

Por: Vitor Vizzotto

(Foto: Cesar Greco / Fotoarena)
(Foto: Cesar Greco / Fotoarena)

Um dia lamentável na história da Sociedade Esportiva Palmeiras.

Não somente pelo resultado que amargou nosso domingo, mas pela falta de vontade que se perdurou desde o segundo tempo da partida contra o Internacional, pela Copa do Brasil. Por que digo isso? Pois evidentemente o time esqueceu o que é bola e como se faz para chutá-la para o gol.

Sabe quando você tá jogando um pebolim, ou o famoso totó com os amigos, você acha que é o rei da mesa, embatível e todos que estão de “próximo”, estão torcendo contra você… é, o Palmeiras estava se sentindo o “rei da mesa”. Achou que estava peleando contra um time pequeno e que seria fácil.

O detalhe é: A Chapecoense está lutando para não cair para a série B. De décimo sétimo na tabela foi para décimo quarto. E eles tinham um tal de William Barbio que deitava e rolava em cima da marcação do Egídio.

Disposição tática não existiu. Vontade não existiu. Evidentemente, todos palestrinos viram isso.

A ARBITRÁGEM

O maldito apito vêm sendo assunto em quase todas as partidas do campeonato. E ontem não foi diferente. O lance mais polêmico da expulsão do Egídio foi comentado por horas pós partida. No campo, demoraram mais de 5 minutos para resolver o problema e dizem que terceiros avisaram o juiz que o jogador palmeirense havia encostado na bola e não tinha sido nada.

Uma masturbação sem fim. O Palmeiras perdeu. E mesmo assim o técnico adversário, Guto Ferreira ficou choramingando.

A comissão de árbitros não tem moral alguma, mas ontem acho que foi um exagero, a mídia ficar em cima desse lance e não falar do futebol que foi jogado.

O comentário para essa polêmica que causaram é simples: O bandeirinha deveria ter comunicado ao árbitro que o lateral havia encostado na bola. Se não, que o jogo seguisse.

E tem mais, aposto que se Egídio fosse expulso de fato, os jogadores teriam jogado com mais vontade e talvez, ganharíamos. Mas ficamos no famoso ‘e se’…

ATUAÇÕES

Um jogador em especial não vêm me agradando. O argentino paraguaio que tropeça na bola. Lucas Barrios.

Gastamos uma fortuna para o centro avante não colocar a bola nas redes. Para mim já deu o tempo de adaptação. Em minha opinião, não é o salvador da pátria como alguns palmeirenses acharam que ele seria. Mas não podemos crucificá-lo também.

Gabriel Jesus precisa de um tempo no banco. Marcelo, não queime o garoto com a torcida. Ele precisa de mais calma. O menino se cobra de mais e sempre quer fazer lances de craque. Tem vezes que uma bicuda pode resolver um jogo, isso ele tem que saber, e para isso, precisa de um tempo no banco para reflexão.

O importante agora é não crucificarmos ninguém e ficar cada vez mais unidos com o elenco. Devemos apoiá-los até perdermos a voz!

Peço para que todos nós lutemos juntos com o time para conquistarmos a taça mais uma vez e conseguirmos terminar bem o brasileiro.

FORZA PALESTRA!

A FORZA PARA 2016!

Por: Victor Chahin

Crédito: Montagem de Dorival Coelho e Marcelo Calenda sobre foto de Alexandre Battibugli
Crédito: Montagem de Dorival Coelho e Marcelo Calenda sobre foto de Alexandre Battibugli

Manter um elenco fixo por anos é o maior objetivo de qualquer time que sonha com títulos. Ou seja, o entrosamento é uma das chaves para a glória no futebol. Basta olhar, por exemplo, o Cruzeiro de 2014 e 2015, ou até os times europeus, como Bayern e Barcelona. Outro ponto é confiar no trabalho do técnico, pois é ele quem vai dar a forma e a cara do time. O Verdão esta encaminhando um elenco forte e entrosado para 2016.

O Palmeiras já tem uma base para o ano que vem. A equipe tem jogadores chaves, aqueles que dão a estrutura ao time, mostram melhor desempenho e confiança. São eles Vitor Hugo, Zé Roberto, Fernando Prass, Gabriel, Arouca, Lucas, Dudu, Rafael Marques, Allione e Thiago Santos. Esses jogadores, junto ou separados, devem compor quase todos os jogos em 2016. Você deve estar sentindo falta, talvez, de Lucas Barrios ou Gabriel Jesus, acredito que são jogadores interessantes e serão importantes para próxima temporada, mas não são os pilares do Palmeiras, pelo menos, ainda não.

Vitor Hugo é sim o grande zagueiro, ou melhor, se tornou grande com o Palmeiras. No começo, estava com dificuldades e nervosismo, mas ganhou confiança, evolui demais e surpreendeu a todos. Vitor ganhou o carinho da torcida e é indispensável para o elenco. Contudo, Jackson ou Vitor Ramos precisam adquirir o mesmo padrão de jogo do V. Hugo, ou o Palmeiras terá que achar um a altura para 2016.

O animal, Zé Roberto, 41 anos, acabou de renovar com o Verdão. Jogador que tem um domínio de bola e uma calma em campo louvável. O preparo físico dele é melhor que muitos do elenco, ele consegue jogar o louco calendário da CBF com poucas dificuldades. Vai ser importantíssimo no próximo ano e será lindo ver ele encerrar a carreira no Verdão, ainda mais se for levantando uma taça (não que Zé tenha dito em parar aos 42).

Gabriel e Arouca, talvez sejam uma das melhores duplas de volantes do Brasil. Quando Gabriel não tinha se lesionado ainda, o meio-campo defensivo do Palmeiras era muito forte. Gabriel fez falta durante o Brasileirão. Arouca é um bom volante, caiu de qualidade quando seu companheiro machucou. Lembrando que o Palmeiras contratou Thiago Santos, 25 anos, para disputar a vaga com os dois.

O lateral direito, Lucas, tem uma regularidade na posição excelente. Esta ao lado de Fagner do Corinthians, como melhor da posição no Campeonato Brasileiro. Lucas é o atual capitão do time, merecido, o jogador tem um bom psicológico e calma em campo.

Dudu e Rafael Marques são indispensáveis nas pontas do Verdão. O camisa 7 é baixinho, veloz e brigador; Rafael é alto, bom de arremate e movimentação. Os dois juntos em campo criaram um entrosamento forte, tornando as alas, uma das maiores eficiências do ataque palmeirense. Lembrando que existe Gabriel Jesus e Kelvin (se ficar), para substituir.

O meia-atacante, Allione, talvez seja dos melhores jogadores do elenco. Com apenas 20 anos, o Argentino ainda não conseguiu voltar a jogar os 90 minutos completos, pois ficou muito tempo parado devido a lesão, perdendo seu espaço. Allione tem velocidade física e mental. Isso, somado com raça … Bom, combinação perfeita, estilo Palmeiras.

Para finalizar, veremos ano que vem um Palmeiras iniciando a temporada com um bom entrosamento. Provavelmente, alguns jogadores irão sair, mas quem sabe venha um meia-armador de alto nível, ou aquele zagueiro que falta, seria perfeito. Bom, FORZAPALESTRA, pois 2015 ainda não acabou.