Por: Vitor Vizzotto

26409691724_488dc43b36_o
(Foto: Cesar Greco / Fotoarena)

Nesta semana surgiu uma dúvida e um receio nas nossas cabeças palmeirenses, pois o jornal italiano “La Gazzetta dello Sport”, publicou em sua capa que a Juventus estaria interessada na contratação da joia palestrina por cerca de 15 milhões de euros.

A diretoria do Palmeiras publicou que não recebeu oferta alguma e que para levar Gabriel Jesus, a multa rescisória é de 40 milhões de euros e a que não estariam interessados em ofertas menores. O porém desta história é que existe na cláusula do contrato, um parenteses que diz que os times: Manchester United, PSG, Barcelona, Real Madrid e Bayern de Munique, podem pagar, eventualmente, um valor menor.

O contrato da nossa joia vai até o final de 2019, e o verdão espera segurar o atacante até lá.

O ESTÍMULO 

O que a diretoria alviverde terá que fazer é, primeiramente, seduzi-lo a ficar para ganhar mais experiência e possivelmente se tornar um alvo maior dos gigantes europeus. Segundo, o Palmeiras só possui 30% dos direitos econômicos do jogador, portanto devemos comprar pelo menos mais 20% dos direitos, para que no futuro lucremos com o nosso jogador, afinal, foi forjado em nossa base. Esta é uma questão a ser debatida e levada a CBF, pois os clubes em minha opinião, devem ter uma porcentagem maior de suas’crias’.

Resumindo a novela, cabe a direção tomar decisões contundentes e lúcidas. Vendê-lo agora, neste momento, não será bom para ambas as partes. O menino Jesus precisa se firmar na sua casa primeiramente para depois sair e se consagrar o grande jogador que esperamos que ele se torne.

Mais títulos com o Palmeiras, é disto que ele precisa. Deixar de ser apenas uma promessa e virar realidade, aqui. Gabriel está se encaminhando para isto, mas o que cabe a nós torcedores e a mídia fazermos, é não encher a bola do menino de mais e deixarmos ele jogar bola.

FORZA PALESTRA!

Deixar uma resposta