A GLÓRIA E AS INCERTEZAS

Por: Vitor Vizzotto

Realmente, faz algum tempo que não escrevo aqui, mais precisamente a uma semana. Senti muito a perda dos bravos guerreiros da Chapecoense na semana que passou. Fiz uma série de postagens na minha rede social particular, de como me senti tremendamente desolado com a perda destes jogadores. Foram heróis que me identifiquei em frações de segundos lá no Allianz Parque, que uniram as quatro torcidas organizadas de São Paulo que se odeiam e que propagaram a paz para o planeta além do mundo da bola.

Presto aqui mais uma homenagem a eles, com esta foto. Simbólica e auto-explicativa. Parabéns a Chape pelo campeonato e #ForçaChape.

files-fbl-sudamericana-chapecoense-sanlorenzo-g823140hn-1

Mas vamos falar agora sobre o futuro da S.E Palmeiras.

Com o título do campeonato brasileiro deste ano, subimos ao topo do cenário futebolístico nacional, porém tivemos algumas perdas que nos trouxe uma série de incertezas. Primeiro com a saída de Jesus para o Manchester City, de Guardiola e cia. Não sabemos quem o substituirá ainda, mas temos algumas opções no mercado. Entre elas estão:

1) Carlos Tévez (Boca Juniors), que acho um pouco impossível; 2) Borja (Atl. Nacional), que tem um alto valor no mercado e acredito que não virá para nenhum time do Brasil. Além de ser mais caro do que o Gabriel; 3) Calleri (West Ham), ex-são paulino que gostaria de voltar ao Brasil, mas acho que não iria para o Palmeiras pela passagem recente no São Paulo; 4) Lucas Pratto (Atl. Mineiro), o nome que mais agrada a todos os palestrinos e que parece estar apalavrado com o alviverde.

Segundo, com a saída do técnico Cuca e seus auxiliáres, inclusive Alberto Valentim, que era cria do clube.

O técnico Cuca, da SE Palmeiras, durante treinamento, na Academia de Futebol.
Foto: Cesar Greco

Agora devemos coçar a cabeça mesmo, porque com a saída de um treinador muita coisa muda. Mas o que me conforta na escolha de Eduardo Baptista é que ele foi um técnico que fez uma ótima campanha com a Ponte Preta. Ao meu ver, ele não é o técnico ideal para este Palmeiras, mas já que foi praticamente anunciado, eu não o enxergo com maus olhos.

A macaca terminou o campeonato em décimo lugar e tinha alguns nomes que já passaram por aqui e não jogaram bem, como: Wellington Paulista e João Victor. Desculpem-me a brincadeira torcedores de Campinas, mas foi algo louvável.

Torço para que e o nosso novo comandante aplique todos os seus conhecimentos na beirada do campo. Bem vindo Eduardo.

FORZA PALESTRA