JUSTIÇA QUE NÃO FAZ JUZ AO NOME

Por: Vitor Vizzotto

Eu ia escrever sobre a partida magistral do nosso elenco de ontem, mas vi um assunto mais urgente que está em pauta e que pouco estava se falando. Caso Scarpa.

Acabou de sair a decisão judicial que impede a volta do jogador ao Palmeiras. O placar final da votação ficou em 8 contra e três a favor do atleta permanecer no verdão. É incrível como o time carioca em questão é completamente antiprofissional e não age dentro da lei. Desde o caso Lusa, em 2013, quando eles colocaram o time paulista na segunda divisão, sendo que eles deveriam cair, tudo ficou claro quanto o posicionamento da instituição.

Captura de Tela 2018-06-07 às 15.02.41

Globo esporte: “O argumento mais usado para os desembargadores serem contrários ao pedido de Scarpa foi que era necessário esperar a decisão de primeira instância sair para, aí sim, julgarem o mérito do mandado de segurança.”

Parem para pensar. Como que eles acham que tem o poder de fazer um profissional, trabalhador, parar de jogar somente por causa de uma instância? É por isso que este país está na situação que está. Tudo é feito na base da postergação. É evidente que o atleta está sendo alvo e vítima de uma corja de diretores que estão visando os próprios interesses.

Um time que não paga seus atletas, não respeita os seus trabalhadores, não merece e nem deve achar que tem algum direito sob o funcionário. Scarpa veio para o Palmeiras porque aqui encontrou um clube extremamente profissional e que tem ética.

Esta situação não pode ficar assim. A diretoria alviverde tem que se posicionar de forma forte e recuperar o jogador. Precisamos dele para continuar a temporada. Tomara que volte após a Copa do Mundo. #VoltaScarpa

FORZA PALESTRA